<$BlogRSDURL$>

O nome diz tudo

sexta-feira, maio 28, 2004

Foda-se! Hoje vi um mancebo parecidíssimo com o Bean-Man. Caralho, afinal há clones daquele filho da puta. Até no telejornal dos coitadinhos foi mencionado a existência de outro Mr. Bean que tinha como profissão professor (those who can´t do, teach). Mas o original continua paneleirento de forma exponencial. Como ele adora debruçar-se nas secretárias de forma a poder espetar o rabito de pombo.
Mas chega de falar de pobres de espírito. Falemos de mamas! Pois é, esse tema chamou a atenção de muitos e muitas. Futuramente passarei a colocar de forma subliminar, a menção dos ditos mamilos femininos. Atenção estúpidos! Hora de aprender uma palavra nova de teor caro. Mnemónica. Sim, cabrão, mnemónica. Não é a puta da Mónica, parvo. Trata-se de algo que o nosso cérebro facilmente interprete e que traduza num único significado na nossa mente. Neste caso, é a palavra "mamas". Pensando em "mamas", todo o homem heterossexual imagina imediatamente o par de mamas que considera ideal e de como conseguia passar horas a deliciar-se oralmente com aqueles dois montes de Vénus.

Para ti que desejas dar-me as tuas mamas

As tuas mamas que adoro lamber
Saltam de contentamento ao me ver
Os mamilos incham até doer
E querem que lá vá morder.

As tuas mamas que gosto de trincar
E a meu bel prazer os mamilos puxar
Gosto de ver as gémeas a abanar
E lá, o meu esperma despejar.
|

quarta-feira, maio 26, 2004

Hoje não tenho pachorra para falar de algo com relevância, por isso pensei em falar apenas de algo que qualquer homem gosta. TETAS DE GAJA!! Quem é o homem que nunca andou a lambuzar-se nas mamas duma gaja? Quem é o homem que não adorou a experiência? Os paneleiros que se calem, por favor. Pois é. Mamas de gaja é o melhor que se pode dar a um macho. E se desafiarem a gravidade de forma inequívoca e forem grandes e redondas, melhor ainda. Mamas flácidas ou descaídas são sempre uma decepção. E o silicone, nem todo é aceitável como catalizador de tusa. As mamas têm o tamanho ideal quando na canzana dê para agarrá-las à mão cheia. Gajas, se tiverem tetas dignas de serem lambidas, afirmem-se e disponham-se!
|

segunda-feira, maio 24, 2004

Caralho, desta vez ausentei-me demais. Esta merda do blog até mudou de aparência. Tive mais que fazer do que estar aqui a relatar toda a idiotiçe que vejo dos macacos humanóides. A puta do mês de Maio está quase a acabar mas foi longo para caralho. Não devo ser o único já a contar os cêntimos do fundo da carteira. A crise económica é a maior puta que conheço, visto conseguir foder todos ao mesmo tempo.
O mês passou, a virgem Maria brochou, o Mr. Bean uivou e as putas continuaram a levar nos orifícios. 13 de Maio! Grande reunião da putrefação lusitana em forma humana. Ali que ninguém se importava que rebentasse uma bomba, não rebenta. Mas quem é que ainda acredita na Puta Maria e sua punheta de mamas sem mãos? É como a merda dos três pastorinhos. Foram enrabar-se uns aos outros, e depois contam que viram a virgem Maria para que assim ninguém notasse o hálito a sémen. E para o ano a velharia promete mais!
O nosso conhecido Mr. Bean continou durante este mês a fazer das suas. No dia que o meu colega da informática voltou de férias, que alegria estampada no rosto tinha o nosso rabetazito. Nem será necessário dizer que o cabrão inventou logo um problema informático só para poder se deslumbrar com o bronzeado do seu ídolo. Já por várias vezes aconselhei o meu colega a não se chegar muito ao gayzolas, não vá o desejo suprepujar a razão.
E as putas, pá! As putas continuam putas. Gaja que nasça com a mentalidade de puta, por muito banhinho que tome, continuará a ser uma puta rameira. E tantas que conheço. Algumas devem estar a ler isto neste momento. Sim tu, ó minha puta! Querias piço? Vai fazer broches a cavalos, minha vaca!
E o Benfica ganhou a taça de Portugal. Grande Benfica! O Mourinho e sua pandilha de enrabados foram bem humilhados. Pensavam que este ano iriam ganhar tudo não? Limpem os olhos e lavem os ouvidos. O reinado do F.C.Porco começa a terminar.
Para terminar deixo um conselho a qualquer candidato a fodilhão. Vão à feira do livro, que actualmente está a decorrer. Não estúpidos, não tem nada a ver com a cambada paneleiresca que por lá deambula nocturnamente. Qualquer gaja que conheçe o Kama Sutra de trás para a frente, gosta de ler. É um óptimo ponto de engate. Finjem saberem ler, decorem dois ou três nomes que ouviram falar nas aulas de português do 9º ano, e zás, é só olhar para o par de tetas mais convincente. Até nas gajas que estão a vender podem pedir uma ajudazita mais específica. Um brochezito específico também poderiam fazer...
|

quinta-feira, abril 29, 2004

Suck me, beautiful!
Mais um dia passou, mais aventuras aconteçeram. Desta vez, no reino do Nestum, Nestum chocolate. Finalmente tivémos a contribuição benéfica do nosso querido angolano Sambu "Negão", parceiro de pândega sexual do nosso inesquecível Mr. Bean lusitano. Fiquei estupefacto com o facto de ele ter conseguido construir uma frase fonética e ortograficamente com nexo, e demonstrando teor cultural ao saber qual a sensação de ser-se empalado. Força Sambu, fica conosco e relata-nos as tuas aventuras tal qual Tom Sawyer.
Aproveitando a conversa dentro do reino animal, achei hilariante a notícia da existência de um burro em Espanha que tem como especialidade assediar sexualmente vacas e tentar violar pessoas. E foi aclamado como herói nacional, ou burro nacional, como preferirem. Hoje, de forma entesoada, uma colega do emprego, possuidora de umas tetas capazes de alimentarem metade da Etiópia, perguntou-me se eu era arraçado de burro, visto eu só querer sexo. Como gosto de ajudar o próximo (o próximo par de mamas, claro), prontamente dei a entender que ela seria claramente perseguida por mim, visto ser arraçada de vaca.
E acabo o dia com uma homenagem às mulheres. Elas suportam as dores da menstruação com um sorriso nos lábios. Elas gostam de ter tatuagens bem perto da zona genital ou anal. Elas furam-se todas com piercings. Elas calmamente trazem à vida todas as crianças que conseguem gerar de dentro delas. Elas acham algo mínimo, as infecções urinárias. Elas esfolam-se a limpar e cuidar da casa, sempre de cu para o ar. Elas aguentam de forma atenciosa as conversas de merda dos pais septuagenários. Grandes mulheres! Só não entendo mesmo, depois de posto tudo isto, algumas ainda dizerem que não querem levar no cu porque têm medo que doa. Mulheres...
|

quarta-feira, abril 28, 2004

"Você anda a querer levar pancada de mim, seu malandro." foi assim que hoje o nosso Mr. Bean se dirigiu ao pobre do meu colega da informática. Ao ponto que o rabeta chega. Já nem esconde os seus desejos mais íntimos. Provavelmente um deles é estar vestido com um corpete de cabedal, cinto de ligas preto, meias de rede à puta, e de chicote na mão, enquanto sussurra ao ouvido do gajo que conseguiu engatar: "Seu malandro, vai ser castigado. Mas no fim vai me castigar a mim forte e feio." Esperemos que o meu colega consiga se esquivar ao engatanço paneleiresco de mau aspecto.
Falando de mau aspecto, faz-me recordar uma tentativa de comentário pernicioso por parte de um elemento dos homossexuais assumidos, com complexo de superioridade. Olha lá, meu panilas de merda, tu não és ninguém para eu me justificar a ti. Nada tem de ser provado a ti. Tu não és nada. Tu és merda ao vento no Iraque. Não gostas do que lês aqui, vai ler algo que te faça recordar a tusa que sentiste quando roçaste a testa na cona da tua mãe.
Posto isto, vamos falar de velhas. Hoje no supermercado vi duas velhas quase à pancada por causa da merda da fila para pagar. E uma das putas com a mania de querer se meter à frente, tocou-me na perna com a merda do carro das compras. Foda-se, passei-me! Empurrei logo aquela merda contra a cabra da velha. E a gaja nem disse nada. Só tinha mesmo que comer e calar, olha a merda.
E visto recentemente termos comemorado a liberdade em Portugal, senti-me liberto desta merda e só apareci hoje. Gostava de saber é quem se sente livre hoje em dia. A puta da criminalidade aumenta, a imigração de pretos, putas brasileiras, lituanos e companhia prolifera a olhos vistos, a lei ajuda os criminosos, somos apelidados de racistas se nos defendemos de um assalto por parte de um preto, andámos anos e anos a pagar casas de borla aos ciganos e demais que não fizeram um cu para as ter, o Estado chupa-nos em impostos toda a guita que poupamos, a merda dos preços está sempre a aumentar com excepção dos vencimentos, andar sozinho de noite por Lisboa só em sonhos mesmo, e para finalizar, nem com esta merda toda podemos andar de forma descontraída e visível com o nosso armamento defensivo. Sim, eu tenho que andar sempre com as minhas facas distribuídas pelos tipos de roupa que tenho vestido. Até nas botas de biqueira de aço tenho uma faca anexada. O que faz mesmo falta é uma ditadura de novo no país para varrer esta merda estrangeira toda daqui. São párias que não produzem mais-valia a Portugal. E criminoso apanhado, criminoso morto e esfolado. Mais nada!
|

quinta-feira, abril 22, 2004

Hoje vou começar de uma forma nostálgica. Estava eu num estabelecimento comercial dedicado à venda de frangos assados, em que o filho da dona estava também presente. Enquanto esperava pelo meu belo naco de carne por deglutir, constatei que a mãe do fedelho estava a ligar para uma gaja qualquer a indagar sobre uma miúda ter dado um estalo ao miúdo. Era ver o puto logo enervado com a mãe, a pensar na vergonha que iria passar amanhã na escola, quando os marmanjos do quinto ano souberem que aquele menino da mamã leva tareia de gajas e ainda chora. Como relembrei os meus velhos tempos de menino virgem, em que era uma aventura passar as mãos pelas mamas das pitas da altura. Pôr a mão no rabo então dava direito a estalo e canelada. As pitas de antes não eram como as de hoje. Agora assumem-se como as putas que são. Querem foda e mais nada. Antigamente havia uma falsa moralidade por manter, que hoje é desnecessária.

Acabei de elaborar um estudo minuncioso do tipo National Geographic, acerca da espécie quase extinta, a "Mr. Beanus Gayzus Paneleirus". Constatei que no meio de toda a merda que o primata diz, há mensagens subliminares apostas. São frases de teor monossilábico que provocam o auge da sua argumentação viperina. De algumas, consegui salientar as seguintes:
- "Isso mesmo";
- "Exactamente";
- "Força";
- "Correcto";
- "Eu sou o responsável máximo";
- "Pessoas inteligentes como eu";
- "Trabalho de equipa é necessário".
De notar que o modo como as frases são ditas, é feito lenta e vagarosamente, como se de um trecho de "Os Maias" se tratasse.

Entramos agora na secção "Consultório Rotal", em que um leitor está preocupado com a sua rotiçe pelo facto de gostar de visualizar o que é aqui escrito. A resposta é simples, meu caro. É óbvio que um homem que aprecie a imposição do correcto lugar da mulher (face down, ass up), não pode ser considerado um roto. Mas se não tiver potência sexual herdada de nascença, aí o caso muda de figura.
Temos outro caso, de uma leitora fiel que começa a despontar certos interesses fodais para comigo. Obviamente que eu nunca iria querer nada com alguém que desconheço. Dados elementares como o tamanho das mamas e seu desafio à gravidade, a posição sexual favorita, a aceitação do anal, o peditório da óstia de esperma, a servitude do lar e a semelhança do corpo com o das top models, são algo de que não dispenso. Por isso miúda, toca a deglutir o batráquio (ver dia anterior) e renovar estratégias.
|

quarta-feira, abril 21, 2004

Há mulheres que são uma autêntica nojiçe pegada. Onde já se viu uma gaja estar a almoçar e a fumar ao mesmo tempo? Nem dava pausa ao cigarro, visto segurá-lo por entre os dedos, ao mesmo tempo que também segurava no garfo. Actualmente as mulheres vivem uma crise magistral de complexo de inferioridade. Fumam, bebem e vestem-se como putas, porque pensam que os homens assim reparam nelas. Ledo engano. Assim é que os homens não reparam nelas. Com excepção dos trolhas e desesperados do momento, claro. O lugar da mulher é o de servir o homem. Sempre que uma mulher tem liberdade para ter a sua individualidade, só faz é merda. Nem como chefes servem. O complexo é tão grande que em vez de chefes são tiranas. Chega-se ao cúmulo das próprias mulheres atacarem-se umas às outras, como se se tratasse de um duelo até à morte para ver quem leva com a verga do macho. As únicas actividades realmente úteis na mulher são:
1 - Fazer broche;
2 - Dar cona e cu quando necessário;
3 - Limpar a casa;
4 - Fazer broche;
5 - Fazer as refeições;
6 - Fazer broche;
7 - Satisfazer os desejos sexuais do macho;
8 - Fazer broche.

Seguidamente irei mostrar-vos o porquê do eu não querer ser angolano (sem contar com o facto de que seria preto). Os nomes que se seguem podem ser encontrados por entre os nativos de Luanda:
01- Liberdade de Jesus Narigueta Perna Torta Banha;
02- Norlinda Rapa Buraco;
03- Maria Ténia Viu Vultus;
04- Joaquim Cuecas;
05- Luis Fortes Lopes Carago;
06- Maria Teresa Rabo Bacalhau Molho;
07- António Agostinho Chouriço Júnior;
08- Maria Bem Grosso;
09- Joaquim Bagina;
10- Maria Trombásia;
11- Ignácio Bufa Bucelato;
12- Maria Salva Um de Cada Vez;
13- Jose de Sousa Rabito Magro.
Sem comentários. O próprio teor dos nomes diz tudo. Aproveito aqui para, com base no nome de cada um dos animais, baptizá-los com a sua alcunha mais provável. Seguindo a mesma ordem:
01- A Tortas;
02- Cona Lisa;
03- A Fantasmas;
04- O Cuecas;
05- O Tripeiro;
06- Cu Mal Cheiroso;
07- Pilinhas;
08- Abocanhadora;
09- Analfabeto;
10- Feia Como Tudo;
11- O Bufas;
12- A Heroína Alentejana;
13- Cu Com Medo.

Visto estarmos a atravessar (como sempre) um período em que o povo insiste em não utilizar o português correcto, cá vai uma aula gratuíta, com teor didáctico:
- Deglutir o batráquio => Engolir o sapo
- Colocar o prolongamento caudal no meio dos membros inferiores => Meter o rabo entre as pernas
- Sequer considerar a possibilidade da fêmea bovina expirar fortes contracções laringo-bocais => Nem que a vaca tussa
- Retirar o filhote de equino da perturbação pluviométrica => Tirar o cavalinho da chuva
- Sugiro veementemente a Vossa Excelência que procure receber contribuições inusitadas na cavidade rectal => Va levar no cu.
Esta última é a que mais importância tem na nossa vida profissional, aquando na presença de alguém com o sentimento de "A importância de se chamar Narciso". Para os burros, significa que esse alguém tem a mania que é bom.

|

domingo, abril 18, 2004

Olá povo! Resolvi tirar umas pequenas férias desta merda. Nada nem ninguém me obriga a todos os dias ter de espetar aqui a foda do dia. Mas hoje resolvo fazer uma crónica desta última quinzena. Espero que a plebe a quem me dirigo tenha comido muitas amêndoas de chocolate nesta última época pascal, que assim deram o verdadeiro uso que o cu tem. Atenção que o cu das mulheres é excepção. De resto, a Páscoa não tem mais nada de interesse, porque já não tenho idade para ir ao cu ao coelho. Os católicos é que são extremamente hilariantes, visto dizerem que comemoram a morte e ressurreição de Cristo. Comemorar a morte de alguém que supostamente idolatram? É necessário ser mesmo uma bestinha quadrada para não entender a antítese que prega.
E mais uma vez ando a receber toques anónimos. Mais um otário, só pode. E até sei quem é o bicho. É tão desprezível que nem me dou ao trabalho de me chatear. Até entro no jogo dele e também lhe espeto no cu com um toque anónimo. Só me calha burros na vida, foda-se! Um toque anónimo é alguma ameaça de jeito? Estes gajos quando estavam a desenvolver a inteligência deles quando estavam na cona da mãe, deviam estar entretidos a ver as bolhas de mijo que lhes pairava nas trombas.
Mas durante esta semana, o que mais me chocou, foi saber que os gajos que montam as gajas do emprego são obrigados pelas mulheres a mijarem sentados. Foda-se! É o cúmulo! O acto de mijar em pé, tão característico do homem, a ser manipulado selvaticamente pelo gado rachado. E os cabrões vão na conversa. Que puta de paneleiros! Homem que é homem só mija sentado quando está na sua bela caganeira após ter ido ao Chimarrão enfardar que nem um boi. E herói é aquele que mesmo de caganeira, manda peidos ao mesmo tempo. Mas voltando ao cerne da questão, a probabilidade de esses gajos mijarem sentados (100% de probabilidade, segundo interrogatório conclusivo) está directamente proporcional à probabilidade de de noite apanharem com um strap on pelas entranhas adentro. Quem perde a masculinidade a mijar, perde a masculinidade em tudo. O mais vergonhoso para esses gajos é que até os paneleiros mijam de pé. Fiquei também curioso com o facto de saber que os ditos humilhados não acordam com a famosa tusa do mijo. Das duas uma, ou são mesmo rotos na ascenção da palavra ou então olham para o lado e vêm um trambolho de carne de tão mau aspecto que perdem logo a tusa. O dia de um homem começa sempre com o pau feito, devido à tusa do mijo. Haja vergonha, cabrões!
Para terminar, uma leitora fiel aqui do Mr. V perguntou onde se arranjam mais poetas como eu. Pois é miúda, isso é que é difícil. Nem todos têm a arte que eu tenho. Toma lá o prémio de consolação:

O que queres, não consegues achar
Procuras em todo o lado, de cu no ar
E se vejo as tuas nádegas a abanar
Posso muito bem à bruta te enrabar.
|

sexta-feira, abril 02, 2004

Novamente um mail da merda. Da tal companhia de bailado dos maricons. Mas desta vez fodo-os. Então é assim pessoal. Estes panilas vão apresentar outro rabeta de dança oriental nos dias 17 e 18 de Abril, no Ateneu Comercial de Lisboa, Rua Portas Santo Antão, nº 110 - Restauradores. E na mesma morada, nos dias 24 e 25 de Abril vão haver gayziçe com Tango Argentino. Quem quiser lá ir para observar como os paneleiros actuam, já sabe onde é. Para o leitor másculo, sempre pode organizar uma noite de festa com os amigos e esperam os rabetas à saída do espectáculo, para uma bonita rodinha à moda antiga.
E as gajas gostaram tanto da minha poesia fodal, que já começam a proliferar comentários. Futuramente irão provar de novo os dotes do meu piço (as gajas, panilas de merda). Deixo apenas aqui um cheirinho:

Hoje não quero saber da tua gruta
O que quero mesmo é ir-te ao cu.
Vou te foder bem e à bruta
Porque ninguém geme como tu.
|

quinta-feira, abril 01, 2004

Estava aqui num momento de poesia fodal, que quero partilhar convosco, para contrariar alguns comentários que dizem que isto é apenas para abichanados. É também para as gajas de cona fodilhona, caralho! Então cá vai:

Para ti que fodo por trás

Vi-te ao longe pelo abanar do teu cu
Quis logo apressar-me a ir ter contigo
E mal cheguei perto perguntei "És mesmo tu?"
Enquanto te penetrava com o dedo o umbigo

Tu sorriste, enquanto medias mentalmente
O tamanho magistral do meu mangalho.
Disseste-me ao ouvido de modo efervescente
"Estou com frio. Vem ser o meu agasalho."

Acompanhei-te até à tua moradia
Onde nos esperava um bom bocado.
Pela rua fora a tua orelha eu lambia
Enquanto caminhavamos lado a lado.

Já dentro de casa, no teu quarto
meti as mãos numa das tuas tetas
E rosnei, que nem um javardo
"Gaja, deixemo-nos de tretas."

Rasguei-te a roupa selvaticamente
Para poder apreciar o teu corpo
E como sempre, habilmente
Mostrei-te que não tenho o piço torto.

Fizeste broche, fiz-te minete
Montei-te pela frente e por trás
Conduzia-te à bruta e sem livrete
Espancava-te o rabo. Pás!

Tu gemias que nem uma cabra
Eu fodia-te que nem um cavalo
"Vai, puta! Ladra!"
"E agora anda cá mamá-lo!"

Esporrei-me na tua cara
Em quantidades industriais
Esta é a minha tara
E ainda digo "Queres mais?"

Saí de tua casa e fui-me embora
De colhões vazios e barriga cheia
A meio do caminho... Porra!
Saí nu apenas com uma meia...
|
Estava aqui entretido a ver o blog de uma amiga, visto estar a falar de foda (a única razão que me faria ver a puta de um blog), e fui ver os comentários dos trolhas ao assunto do dia. Foda-se! Que puta de panilas. "Ai, estou a ficar irritado." "Não, você é que me está a irritar." Mas isto são homens? Essa merda da irritação é algo mesmo abichanado. É um termo apenas aplicado quando as gajas estão com o Benfica a jogar em casa. Homem que é homem diz logo "Oh cabrão, estou a ficar fodido contigo! vê lá se te rebento o trombil." Pelo menos foi isto que a bela sociedade lusitano-machista ensinou aos futuros chefes de família (benfiquistas, claro). Aposto que estes larilentos devem beber Ice Tea de chá verde ao lanche enquanto falam da homossexualidade das lesmas e sua relevância na vida sexual dos caracóis dentro de um micro-ondas.
|

quarta-feira, março 31, 2004

Dito e feito! Hoje liguei a um amigo meu a consolá-lo pelo facto de ter uma homossexualidade reprimida. Ele voltou a enviar-me mails com a merda das chainletters, hugs e abraços, e o "não te esqueças de mim que eu não me esqueço de ti". Esperemos que com isto eu deixe de receber aquelas merdas.
Por outro lado, nem sempre são os amigos que nos enviam merda. Recebi hoje no mail algo que esperava nunca receber. Um mail da escola das 1001 danças. Foda-se! "Olá bailonautas! La salsa llegó para ti salsero!" Mas que merda é esta? Homem que se preze, gosta de ver gajas boas nuas a dançar, mas não necessita de imitar os movimentos femininos. Dança é para paneleiros. Ainda por cima a salsa. Já vi putas da Av. 24 de Julho a abanarem-se menos que aqueles maricons. E eu sou português, por isso falo a língua nacional. Quero que os espanhóis se fodam com mangalhos marroquinos. Para mim a única dança que um homem pode praticar, é o movimento 888 enquanto está a espetar o mangalho na gaja (se for no cu, convém ser o movimento 10 para evitar o aumento dos décibeis das cordas vocais da cabra).
E no final do dia, num café perto do meu emprego, vi dois velhos alcoolizados à pancada como se não houvesse amanhã. Chamavam pela mãe de cada um e os seus descontos de Natal no Cais do Sodré, enquanto se lançavam como pulgas num cão. Foi um espectáculo bonito de ver.
|

terça-feira, março 30, 2004

Se há algo que me irrita solenemente é a merda das chainletters por mail. Foda-se! Pior! É ser um amigo a enviar-me de forma constante aquele enxoval de estrume. "Se não enviar esta mensagem para dez pessoas, duas serão violadas, três irão enfiar bolas de bowling no cu, uma será uma freira pedófila, três irão morrer secas e gretadas, e a restante será chicoteada por um exército de formigas anãs, seguidamente de ser enrabada a sangue frio por um tractor (trata-se da pessoa que nos enviou a rotiçe de mail)."
Decerto não devo ser o único a ter de suportar esta treta de mails. Proponho que seguidamente a termos recepcionado uma chainletter, telefonemos para a pessoa que nos enviou tal excremento, a consolá-la pelo facto de ela ser homossexualmente reprimida e querer se assumir. No final do telefonema, após o consolo, prontamente exclamaremos "Paneleiro da merda. Ganha vergonha na cara e no cu!". E assim prestamos a nossa boa acção do dia, para contrapor com os assédios sexuais praticados, violações ao código da estrada, venda de software pirata, fuga de impostos, e tantas outras más acções que cometemos no dia a dia. Atenção! Más para quem acha que é má. Eu nunca achei que o fossem. Mas eu sou um macho heterossexual, e sendo assim, é da minha natureza as condições acima expostas.
|

segunda-feira, março 29, 2004

Scream for me, puta!! Realmente as mulheres são mesmo um bicho misterioso. A única certeza que temos delas é que nascem com cona e seu bónus (o cu, estúpidos!). Em estudos recentes (durante esta vida) descobri dois lados relevantes no elemento feminino. Um deles, vulgarmente aclamado entre conversas de bar, trata-se do facto de uma gaja ter a burriçe directamente proporcional à sua performance fodal. Ora, se virmos uma gaja na rua, completamente burrinha, podemos de modo certo afirmar que a dita cona é um autêntico festival da canção. Fode até ficar rouca. Sim, estúpidos, envolve a boca.
Por outro lado, as mulheres quanto mais se vangloriam das suas capacidades reinvindicativas, mais cobardes o são. Já vi no emprego muita vacaria a mandar a sua posta de pescada para o ar (ou posta de salmão, para as tias) e na hora da verdade, sujeitarem-se à humilhação das humilhações. Só falta mesmo andarem lá no broche durante os Sábados de tarde. Mas isso não sei porque estou ocupado nas minhas fodas.
|

sábado, março 27, 2004

E temos mais uma novidade no canal. Já disponibilizei a opção do leitor abichanado poder partilhar com os demais companheiros homossexuais que também lêm este blog, o que pensa sobre a sua condição de paneleiro que gosta de levar na bufa.
E como não podia deixar de ser, à Sexta-Feira o nosso Mr. Bean tráz-nos sempre algo para contar. Colegas cúmplices deste vosso enrabador vieram me contar o modo como o matarruano Beanesco costuma digerir a sua sandes. Eu já vi no Discovery Channel e no 70x7 porcos a comer de modo mais civilizado. É que chafurdar o pão com queijo e fiambre na cara não é muito normal. O gajo mal dá uma dentada, fica logo com metade da sandes na boca. Só falta mesmo começar a falar com o empregado do café, e vermos a chuva de saliva e migalhas a povoar o ambiente. Nessas alturas ele para dizer "cem" tem de abrir metade da boca senão aparece "duzentos". Imaginem se fosse a palavra "broche".
E vamos para fim-de-semana, por isso fodei-vos, que também vou fazer por isso!
|

quinta-feira, março 25, 2004

"Ai sua malandra. Devia de vir ao castigo." Foi assim que o Mr. Bean interpelou uma gaja lá do emprego. Ele já deve ter reparado que a sua gayziçe começa a formar uma fama inquestionável, então resolve usar destes artifícios para pensarmos que o animal também gosta de molhar o pincel. Ou pincelinho.
E como em todos os dias, sempre que o babuíno mental sai para tomar o seu lanchezinho, os sons dos martelos pneumáticos das obras do lado ficam com um ruído mais abafado. Há teorias no underground da empresa que o cabrão do Mr. Bean vai coçar o escroto com martelos pneumáticos. Aquilo até limpa as veias até ao pâncreas!
E deixo uma pequena nota de reparo ao incauto leitor. Se sabe que é homem porque mete a mão e sente dois colhões, se sentir quatro não é o Super-Homem, está é a ser enrabado! Por isso trate de avisar que não gosta disso ao Ucraniano que lhe está a limpar o intestino pela via anal.
|

quarta-feira, março 24, 2004

Se há dias em que eu devia evitar olhar para pormenores, hoje foi um deles. Então não é que o Mr. Bean tem um coraçãozinho no visor do seu telemóvel? Tão romântico que ele anda. O último gajo a rebentar-lhe a bilha deve ser carinhoso com ele. Ao menos diz "Até amanhã à mesma hora". Mesmo assim, o tal pretito de verga angolana para ir-lhe ao cu só mesmo com máscara para não ter de suportar o hálito a estrume fora de prazo do Mr. Bean. A cada dia que passa a qualidade do mau cheiro melhora. Foda-se!
E hoje no comboio fui reconhecido! Um miudito com uns 3 anos, que tinha aparência de desconhecer o significado da palavra "pedofilia", apontou para mim e disse para a mãe (ou a vaca que lhe dá leite porque gosta que bebés lhe chupem as mamas): "Mãe, é o Sr. Mau.". Maravilha! Gosto de passar num sítio e ser reconhecido. Da próxima vez, quando passar por uma gaja toda boa com altas mamas e tranca de equitação, vejo-a a apontar para mim e dizer ao namorado: "Olha ele é o gajo que me fode bem.".
|

terça-feira, março 23, 2004

Se há uma coisa pior que uma vaca histérica, são duas ou três vacas histéricas. Pior! São duas ou três vacas histéricas com mania que são muito boas. Aquilo nem os pretos da Etiópia queriam. Eu tenho a sorte do meu local de trabalho andar a açambarcar a vacaria existente na área da Grande Lisboa. Foda-se! E quando vão trabalhar com o Benfica a jogar em casa ainda é pior. Para além de serem vacas histéricas com mania que são muito boas, são também implicativas e estúpidas. Bem, o serem estúpidas já é de nascença, mas vem mais ao de cima quando estão com a história. Decerto terei mais tema de conversa ao longo dos dias dedicado ao elemento que dá leite mas que o bebe todo.
|

segunda-feira, março 22, 2004

É uma aventura ir a uma loja chinesa. Foda-se! Para além de estarmos rodeados de artigos dedicados ao elemento feminino ou gay, quando vemos algo que nos interessa não tem o preço marcado, o que nos faz ter de perguntar ao chinoca mais perto. Curiosamente é aquele mesmo ao nosso lado, que tenta imitar a todo o custo a nossa sombra. Como se eu fosse roubar alguma merda daquelas. E depois de perguntar o preço fico na mesma, porque falam tão bem o português como eu falo o cantonês.
|

sexta-feira, março 19, 2004

Hoje foi dia de festa! Meti aqui uma TV Box pirata e agora é Sexy Hot a full time! Foda é bonita e é para ser vista. Quem não gosta, não olhe para trás e continue a apoiar-se no pára-choques do carro. Agora também já posso ver a luta greco-romana, actualmente denominada de futebol, que costuma dar exclusivamente na Sport TV.
Aproveito e coloco aqui as regras básicas para o leitor se tornar um verdadeiro Tuga, disposto a abanar as nádegas na final do Euro 2004 "Portugal vs. País-de-merda-que-vai-ser-enrabado":
01 - Ter a mãe ou a avó com Maria no nome;
02 - Ir a Fátima com a família pelo menos uma vez por ano;
03 - Viver em casa dos pais até aos 30 anos;
04 - Ter bigode e ser baixinho;
05 - Ter três telemóveis;
06 - Jurar não comprar azeite Espanhol nem morto, apesar da maioria do azeite vendido em Portugal ser Espanhol;
07 - Organizar jogos de futebol de solteiros e casados;
08 - Ir à bola, comprar "pra geral" e saltar "pra central";
09 - Gastar uma fortuna no telemóvel mas pensar duas vezes antes de ir ao dentista;
10 - Beber Super-bock, comer tremocos, caracóis e marisco;
11 - Cometer 3 infracções ao código da estrada em 5 segundos;
12 - Ir à aldeia todos os fins-de-semana visitar os pais ou avós;
13 - Ja ter "ido à bruxa";
14 - Ir de carro para todo o lado, aconteça o que acontecer;
15 - Lavar o carro na fonte ao Domingo;
16 - Não ser racista mas abrir uma excepção com os ciganos;
17 - Ainda ter uma mãe ou avó que se veste de luto;
18 - Receber visitas e ir logo mostrar a casa toda;
19 - Dar aos máximos para avisar os outros condutores da polícia adiante;
20 - Ter o resto do mundo a pensar que Portugal e uma província espanhola;
21 - Exigir que lhe chamem "Doutor" mesmo sendo um Zé Ninguem;
22 - Passar o Domingo no '"Shopping";
23 - Tirar a cera dos ouvidos com a chave do carro ou a tampa da esferográfica;
24 - Levar o arroz de frango para a praia;
25 - Guardar aquelas cuecas velhas para polir o carro;
26 - Enfeitar as estantes da sala com as prendas do casamento;
27 - Guiar como um maníaco e ninguem se importar com isso;
28 - Ninguem saber nada do nosso país, excepto os Brasileiros e os Espanhóis que gozam dele.
De notar que o leitor abichanado ao tomar estas regras na sua vida, será rotulado de "Bimbo Pimbalhão". O que em nada é mentira.
Para terminar, mais uma vez, como já vem sendo costume, o Mr. Bean saiu mais cedo. Começa a ser bem visível o seu romance com o preto das obras. Se bem que, com tantas obras ao redor do prédio, essa relação pode ter um desaire. Ou um par de cornos. Ou mesmo mais piça no cu do Mr. Bean.
Mas o Mr. Bean não é esquisito. Seja branco ou preto, ele quer é que lhe rasgue o músculo anal com bombadas vigorosas de caralho lusitano. Ou angolano/moçambicano, na falta do nacional. Coitadinho do meu colega da informática, que nestes últimos dias teve de aguentar o hálito a estrume do Mr. Bean, em conjunto com a sua ansiedade de "Gay que vai levar no cu pela primeira vez e está a adorar o pensamento".
|

quinta-feira, março 18, 2004

Hoje, decidi ajudar os desfavorecidos e deprimidos. Falo da espécie de que o leitor faz parte, a dos panilas passivos (e se fosse panilas activo, continuaria a ser panilas). Decerto o excelentíssimo rabeta, por entre jactos de esporra na cara, já deve ter ouvido falar num novo bar para gente que dá o cu, a Discoteca Mister Gay. Eu não sei como aquela merda é, mas pela localização, sei que deve estar bem apetrechada de maricons sui generis. A morada é a seguinte: Quinta da Silveira - Via Rápida - Monte da Caparica - Almada. E-mail: mistergay@clix.pt
Lanço aqui um passatempo exclusivamente dedicado a homens que usem o piço em gajas. Têm aqui o mail da dita discoteca de gayziçe. Escrevam um simples mail a exercerem o seu direito à liberdade de expressão, conquistado no 25 de Abril de 1974 (para as pitas de merda que não eram nascidas, em Portugal foi uma data histórica, conhecida por vocês, não fossem estar ocupadas a fazerem broches no W.C. masculino da C+S). O vencedor só será apurado pelo Alex "Fabulosamente" Gay. Peçam a ele o prémio, que paneleiriçes não é comigo.
|

quarta-feira, março 17, 2004

Devido às obras em Lisboa, que puta de poeira que andava no ar. As demolições dos prédios quase que provocam situações semelhantes a autênticas tempestades de areia. Eu próprio senti a falta da minha Kalashnikov quando me aventurei por entre as dunas de pó. Á minha volta só vi cabrões e putas a cobrirem a cara, logo deduzi que adentrei numa anomalia espaço-temporal e regressei ao Afeganistão durante o regime Talibã. Pelo menos posso mandar todos para o caralho em português que os otários não percebem nada. E se perceberem, é da maneira que não se metem à minha frente.
|

terça-feira, março 16, 2004

Hoje perguntaram-me se eu costumava olhar para a cara das gajas. Eu prontamente respondi que dependia do tamanho da leitaria. Há estudos bem guardados nas caves do vaticano, ao lado da colheita de vinho do ano 1 dc, que mostram que a probabilidade de olharmos para a fronha de uma gaja está inversamente proporcional ao tamanho das tetas da dita. Logo após esta comprovação, seguimos para o estudo seguinte, extremamente aclamado entre as classes machistas, que é a tese do "desafio à gravidade que as tetas de gaja provocam". Quanto maior o desafio, maior a nossa atenção. Isto é tudo no interesse da ciência. Nós queremos desenvolver a humanidade. Mas primeiro as gajas têm de desenvolver e bem as mamas. O abichanado leitor decerto não percebe do que estamos a falar, mas pode ser que um dia fale do olho do cu. Se quiserem que se fale de pila, liguem para o vosso namorado, panilas de merda!
|

segunda-feira, março 15, 2004

Foda-se, hoje não tenho pachorra para esta merda, quero é que todos se fodam. Paneleiros e putéfias, vão amanciar o pau a alguém do vosso agrado, ou na falta, satisfaçam-se com broches a cavalos.
|

domingo, março 14, 2004

Hoje fui ao cinema! Ouvi falar de um bom filme em que é porrada e sangue constante, e fui vê-lo. É nada mais, nada menos, que "As Paixões de Cristo". Ficará para outra altura eu falar do cristianismo, e hoje apenas comentarei o filme. Gostei do que vi. Porrada até dizer chega. Parecia o sinónimo de punheta. Cinco contra um que só o largam quando ele vomita. Só que ali não eram bem cinco, e ele bem que se vomitou e sangrou que não o largavam. A sala de cinema estava repleta de velharia. Dava para sentir o cheiro a caruncho no ar. Coitadinhos...pensavam que iriam ver um filme a exponenciar a "glória" de Cristo, e apenas viram pancada e sangue. A meio do filme, era as putas das velhas todas de lenço na mão, a chorarem. Eu também tive vontade de chorar. Vontade de chorar porque a meio do filme, apercebi-me que não iria ver foda, punheta, broche, cona, ou até mesmo a merda de uma mama descaída. Ainda para mais o filme estava cheio de mensagens ditas cristãs, que a mim mais parecia mensagens homossexuais. "Amai-vos uns aos outros, como eu vos amei." Isto foi a versão censurada, porque o que Cristo realmente disse foi "Enrabai-vos uns aos outros, como eu vos enrabei". "Até ao final da noite, irás me negar por três vezes." Isto é mais um caso de frustração sexual. O que fez raiva aos rabi judeus não foi o facto de Cristo se intitular o Rei dos Judeus, mas sim por Cristo e sua vara (de porcos, imbecis!) serem uma cambada de paneleiros que não queriam trabalhar e andarem-se a chupar uns aos outros.
Em resumo, aconselho qualquer homem a ver o filme, pois tem boas cenas de violência e é um óptimo ponto de engate a velhas, pois após a visualização de tal filme, irão precisar de um ombro amigo. Quem diz o ombro, pode dizer outra parte do corpo em que elas prefiram se apoiar. Para os leitores rabetas, também podem ir ver o filme, pois fala da evolução da vossa espécie.
|

sexta-feira, março 12, 2004

Realmente há certas mulheres que devem ter sido criadas em estábulos. No restaurante onde estava a almoçar, apareceu a certa altura uma chinfrineira tal, que fui forçado a localizar a fonte de tamanho ruído. Era a puta de uma gaja, que estava bem agarrada a uma garrafa de vinho, e em vez de se comportar de maneira civilizada, estava aos berros, como se estivesse a dialogar com alguém a cinquenta quilómetros de distância. Enquanto os homens, quanto mais bebem, mais simpáticos são para as gajas, elas por seu lado quanto mais bebem mais peixeiras ficam. Já tinham o cheiro a bacalhau, ficava mesmo a faltar a atitude.
Incrível como passado tanto tempo, ainda me espanto com certas atitudes do rabeta que é o Mr. Bean. Mas hoje esteve no seu melhor. Já tinha aqui relatado o seu andar amaricado. Pois hoje fomos presenteados com o seu andar apaneleirado. Quando ele viu que tinha de ir atrás do tal colega da informática a que se anda a insinuar, foi ter com ele saltitante pé ante pé, rabito espetado, e mãozinhas prontas a apanhar qualquer mangalho que aparecesse à frente. E lá ia ele, todo sorridente a chamar pelo nome do colega, com uma voz típica de bicha maluca.
|

quinta-feira, março 11, 2004

Hoje fui chamado de ordinário! Foda-se! Alguma vez eu digo asneiras, caralho? Um cabrão tão refinado e erudito como eu, iria recorrer a linguajar cavernoso do tipo "merda", "foda-se", "caralho", "foda"? Já não se pode ser original nestes dias.
Sendo hoje Quinta-Feira, decidi ir deleitar-me com o repasto do meio do dia, numa ida a um restaurante chinês. Como não podia deixar de ser, um gajo com pintelhos bem negros nos colhões, pede logo uma sopa ácida picante. Isto sim, é comida de macho. Mas fiquei horrorizado. Horrorizado porque vejo que nem num ambiente oriental me safo do mundo paneleiro português. Então não é que estava um gajo numa mesa ao lado da minha, com uma aparência extremamente enfeminada? Pior foi quando se dirigiu ao empregado. "Olhe se faz favor, eu queria um cafezinho e um caliçezinho de licor de rosas. Mas um caliçezinho. Não quero maior." Olha que merda! Para além de ser panilas, não sabe beber alcóol como deve ser. É tão rabeta vermos um homem a empregar "inho" nos substantivos e adjectivos da língua portuguesa. Diria que dá mesmo vómitos, logo seguidos por um instinto homocida.
O Mr. Bean, para admirar, não teve muitas situações dignas de reparo, excepto uma em que lhe ligam para o telemóvel (Toque da pantera cor de rosa. Sem comentários), e deixam-no em espera. Ele esteve uns bons 10 minutos a dizer de modo constante "Estou? Estou?". Foda-se! Já sabemos que estás aí. E o gajo panilas que te deixou à espera também sabe. Senão não te tinha ligado, palhaço.
|

quarta-feira, março 10, 2004

Hoje fui ao Multibanco levantar dinheiro, e deparei-me com aqueles papelitos colocados de lado perto das teclas da caixa automática, que falava daqueles trabalhos a partir de casa. "Precisa de um part-time? Rentabilize o seu tempo livre! Sistema trabalho a partir de casa. Damos a formação necessária. Possibilidade de carreira. 350eur a 500eur p/time ou 750eur a 1500eur f/time. Entrevista com o Sr. Marques." Ora, isto mais me parece uma selecção de gado para filmes porno ou para panasquiçes gays. Rentabilize o seu tempo livre? É do tipo "Como não tens nada para fazer, passa para cá a regueifa, maricon". Damos a formação necessária? Do tipo "Baixa-te, cabra e chupa!". Possibilidade de carreira? Claro, as putas reformam-se aos 65 anos ou mais. Quanto à dúvida se será para foda grossa da boa ou para paneleiriçes, basta ver o nome do dito empresário. Sr. Marques. Este nome lembra-me sempre aqueles pediatras que dizem gostar muito de crianças, que até as ajudam na descoberta da sua puberdade e que a pilinha não é só para fazer chichi. Posto isto, vê-se que se trata de recrutamento de paneleiros.
Mais engraçado, é que mal estava eu a sair do Multibanco, sou logo abordado por uma mulher a vender aquela revista dos sem-abrigo (publicidade não, caralho!), que nem sequer me deixava passar. Tive mesmo de quase empurrar a gaja para poder ir à minha vida. Isto sim é marketing agressivo. Qualquer dia vamos a andar na rua e uma puta ajoelha-se logo à nossa frente, mete logo o piço na boca e passa-nos um cartão de visita a dizer "Vanessa Leitaça faz broche a 10 euros".
Mas falemos do nosso Mr. Bean. Ele já deve ter ouvido comentários do hálito que tresanda ser pior que cheiro de peidos de cadáver. Resolveu comprar pastilhas de mentol a ver se dissipa o cheiro. Foda-se! Não sei o que é pior, se o cheiro de bosta ou o cheiro de bosta aromatizada a mentol.
E que trauma! Aquele cabresto tem um complexo de aceitação incrível. Se vê alguma conversa de corredor a desenrolar-se, tenta logo posicionar-se de forma estrategicamente perfeita, de modo a poder ouvir tudo o que é dito e, se necessário, dar o seu parecer estrumento. Até chega ao cúmulo, quando vai espetar a sua opinião mal cheirosa, debruçar-se completamente sobre as secretárias de forma a parecer uma cadela à espera que o seu macho a fure toda. Que puta de paneleiriçe!
|

terça-feira, março 09, 2004

Mais um dia passou, mais uma barrigada de riso acalentou a minha tripa. Hoje foi mesmo um dia repleto de emoções fortes. Numa delas, eu mesmo tive que me fechar no wc masculino (o feminino estava de porta trancada, merda) para me poder rir à gargalhada. Ao ponto que cheguei de tanto rir, que me vi forçado a lavar a cara a ver se me acalmava. Pelo menos, se me mijasse a rir, já estava no wc e tudo. A situação foi esta: há já algum tempo que o Mr. Bean gosta de se insinuar a um dos nossos colegas da informática. Será pelo rabo? Será pelo nabo? Não sabemos, mas supomos que seja pelo mangalho mesmo. Ora então, hoje o nosso rabetazito chamou o dito colega para o ajudar nalguma merda no computador (se calhar não sabia apagar o histórico dos sites de foda gay que passa o dia a ver). Conversa puxa conversa, e de repente o nosso panilas sai-se com um "nãoooo" tão amaricado, tão apanascado, tão enrabado. Pior mesmo que o José Castelo Branco. Foi o suficiente para a gargalhada geral, a minha mais efusiva.
Outra situação de destaque, foi o comentário que o nosso maricas de serviço fez, quando confrontado com um comentário acerca do barulho ensurdecedor das obras do lado. "O barulho só me incomodou no primeiro dia. Agora consigo me abstrair do que está à minha volta e já não me incomoda. O que me incomoda é o chão tremer." Então, este filho de um pastor alemão albino consegue suportar o barulho da puta de três martelos pneumáticos a funcionar durante oito horas quase seguidas, mas incomoda-se por sentir vibrações no chão? Que puta de paneleiro, foda-se! Deve ter medo que a fita adesiva que junta as bordas do cu se descole, e lá sai o intestino grosso, completamente desgovernado.
Este último caso, é o ex-libris do dia. A merda do toner de uma impressora estava a acabar, e só sacudindo o dito é que ainda se aproveitava uns restinhos. Foi-lhe questionado o porquê de ele não se prestar a dar a sua sacudidela (sabendo nós que ele estava louco para sacudir outras coisas alheias), ao que ele prontamente retorquiu: "Eu só sacudo toners com luvas de borracha. As tintas que lá estão podem me dar cancro nas mãos". Tão querido o nosso bebezinho. Preocupadinho com as suas mãozinhas, porque ainda vai precisar delas para tirar os dois litros de nhanha de cavalo que semanalmente se bresunta como máscara de beleza. Se bem que esta deve ter sido mais uma indirecta ao nosso colega da informática, ao mostrar que, como ele cuida bem das mãos, sabe punhetar como o Da Vinci sabia pincelar. Com arte!
|

segunda-feira, março 08, 2004

Hoje foi de partir o coco a rir. O Mr. Bean apareceu com um corte de cabelo que nem consigo ter uma caracterização fiel dele. É uma espécie de cabelo cortado à tijela, mas cortado na parte de trás de forma ondulada à base de pauladas de martelo e escopo. Com franja, e o facto mais curioso, é as patilhas quase não existirem, mas de forma que elas façam parte do cabelo em si. É mesmo muito estranho, extremamente difícil de conseguir dar uma réplica exacta do retrato, mas é uma visão que até faz um bode rir à gargalhada. Actualmente estão em estudo esquemas de acção no sentido de se conseguir tirar uma foto ao dito bicho, de forma a todos os leitores abichanados poderem ver que não estão sós num mundo que não os compreende.
|

sexta-feira, março 05, 2004

Sexta-Feira!!! Final de Semana! Como é bom saber que amanhã não vou ver o Einstein português. Pena mesmo, é saber que vou apanhar com a merda dos velhos na estrada. Mas que se foda. Sempre posso ver um acidentezito em que dê ainda para ver um dos corpos anciães a esturricar e a dar estalidos devido à concentração de metano no recto. Desde que o acidente não seja no sentido para onde vou, caguei.
Mas hoje vou falar muitíssimo pouco no cabrão do Mr. Bean. Ele continua a cheirar mal da boca (é dos restos de esperma que os cães lá deixam), continua a vestir-se mal (mais uma vez parecia a puta do arco-iris com a bilha do cabrão a fazer de pote de ouro) e continua a ter pensamentos dignos de espíritos brilhantes. Hoje o que vou comentar é um assunto inteiramente novo. Já roçei no assunto uma vez, mas não me alonguei por aqueles caminhos. Trata-se pois, dos trolhas. Isso mesmo. Estamos a falar daquela sub-espécie humana cuja base de subsistência é a cerveja (aqui não tem mal nenhum) e o bitoque com batatas a murro (o bitoque ainda vai, agora as batatas podem ser revisadas).
Todos nós já presenciámos uma situação em que, ao passar uma gaja daquelas todas boas que estamos habituados a alargar as bordas anais, um grupo de trolhas começam com teses filosóficas do tipo: "fodia-te toda!"; "dáva-te uma com força!"; "tenho aqui algo que já não vês à muito"; "oh flor, deixas pôr?"; "oh boa, passa para cá a meloa".
Até aqui, tudo bem. São situações que qualquer homem que tenha nascido com um pénis digno do nome, já passou por elas e sabe que as faz. Mas no caso dos trolhas, estamos perante uma publicidade enganosa. E digo mais. É venda de produto de má qualidade. "Mandava-te uma foda"??? Foda-se! Mandava-se era logo umas oito, e era apenas o aquecimento.
Enfim, o único martelo pneumático de que dispõem é mesmo aquele que usam para furar o chão. O meu fura mais bilhas e ratas, mas o franchising e tele-marketing das minhas amigas trabalha para mim.
Vamos entrar de fim-de-semana e espero que os rabetas continuem pela Margem Sul e que não conspurquem as terras onde homens másculos como eu estão habituados a descansar os seus neurónios heterossexuais.
|

quinta-feira, março 04, 2004

Hoje foi mais um dia de descobertas. Foda-se que aquele Mr. Bean é uma autêntica caixa de Pandora. Se bem que no caso dele, seria mais uma caixa de merda. Até as hienas depois de se alimentarem das fezes de outros animais, conseguem ter um hálito mais fresco do que aquele agrupamento de esterco. Aquela garganta quando expele som, expele também um cheiro nauseabundo que nem os cadáveres têm. Eu próprio dei a sugestão de, na maior brevidade possível, adquirir-se nos serviços de necrologia de um hospital, alguns pares de tampões para o nariz, vulgarmente utilizados em autópsias. Suposição mais provável: o cérebro apodreceu, morreu e esqueceu-se de avisar o resto do corpo. Foda-se que ainda estou a pensar como alguém pode ser tão podre por dentro. Qual Ambipur, qual Brise contínuo. Nem os peidos de cona batem este animal no que respeita a cheiros. Agora os leitores mais abichanados vão se questionar "mas os peidos de cona não deitam cheiro". Apenas vos digo, que se forem primeiro à bufa da gaja e só depois à cona, verão o que falo.
| Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com

This page is powered by Blogger. Isn't yours?